Como Fazer seu chefe investir em você ?

Como Fazer seu chefe investir em você ?

Como fazer seu chefe investir em você?

Sua empresa não quer pagar treinamentos ou cursos para você? Leia esse texto e talvez seja isso que esteja acontecendo.

Ultimamente tenho visitado algumas empresas e devido a atual crise vejo muitos colaboradores reclamando que a empresa não quer pagar nenhum curso de aprimoramento, inglês, faculdade ou pós-graduação. É muito comum que empresas paguem cursos e treinamentos para seus colaboradores, porém provavelmente isso não acontecerá se você não der o primeiro passo e pedir para seu chefe. Para isso, siga os importantes passos abaixo:

1 – Escolha um curso ou treinamento que seja tão importante para você quanto para a empresa

Há algum tempo atrás ouvi um coordenador de RH, formado em psicologia, reclamando que a empresa não quis pagar parte de sua pós-graduação. Quando perguntei qual era o curso que ele havia escolhido, ouvi a seguinte resposta: “Psicopedagogia”

O site guia do estudante define:

O psicopedagogo estuda os processos de aprendizagem de crianças, adolescentes e adultos. Ele identifica as dificuldades e os transtornos que interferem na assimilação do conteúdo, fazendo uso de conhecimentos da psicologia e da antropologia para analisar o comportamento do aluno.

Entenda e aceite que nenhuma empresa é uma instituição de caridade! Se o curso que você está pleiteando não tiver ligação com o que você faz dentro da empresa, comece a preparar o bolso para pagar por ele integralmente.

2 – Pesquise opções de preço e resultado

Antes de pedir para seu chefe, faça uma pesquisa sobre o curso desejado e dê duas a quatro opções de curso para que ele possa tomar uma decisão. Assim você também se mostrará muito mais interessado e mais eficiente ao fazer isso. Não tenha medo de incluir cursos mais caros de escolas de renome e qualidade. Se o benefício recebido compensar os investimentos, a empresa optará pelo curso de maior preço e qualidade.

3 – Analise o Custo x Benefício

Ninguém irá investir em você se não conseguir enxergar o real retorno que poderá obter. Se puder quantificar melhor ainda. Veja como exemplo uma empresa de usinagem que possui tornos comuns e tornos com programação CNC feita por computador. Você opera a máquina comum e seu colega de trabalho opera a máquina informatizada. Sua meta é fazer com que a empresa qualifique você como operador desta máquina investindo em um curso que custa 5 mil reais.

Em algum momento, este seu colega irá ficar 30 dias sem trabalhar, devido as férias. Se a máquina fica parada durante este tempo que ele estiver fora e ela produz uma receita de 500 reais por dia, você irá argumentar ao seu superior que em apenas 10 dias, a empresa recuperará o investimento, ou melhor ainda, dirá que em 1 mês operando a máquina, você trará um lucro de 10 mil reais para ela.

4 – Assuma responsabilidades

Nenhum gestor gosta de investir em seu funcionário e vê-lo faltando as aulas. Prometa que irá levar o curso a sério e cumpra o prometido. Faça o máximo para garantir boas notas. Faça seu chefe enxergar que você pretende seguir carreira na empresa, faça-o entender que você vale o investimento.

Se você não conseguir suprir as expectativas, o tiro pode sair pela culatra e a empresa nunca mais irá gastar um centavo com você e poderá demiti-lo eventualmente.

Nenhuma empresa negará ajuda se você conseguir provar que realmente a fará ganhar dinheiro. Todas empresas estão dispostas a ganhar mais dinheiro, se você conseguir entender esse conceito, conseguirá fazer o que quiser

 

Meia Tonelada e uma Lição

Meia Tonelada e uma Lição

Meia Tonelada e uma Lição

Recentemente fui conhecer o Centro de Treinamento Equestre Extrema, um local que oferece vários tipos de serviços relacionados a cavalos. Meu papel, naquele dia, era fazer uma consultoria estratégica para eles, mas tudo se inverteu e saí de lá com um grande aprendizado.

Ao chegar no local, o Sr. Walter Filho, CEO do CTEE, estava à minha espera, assim que desci do carro começamos uma agradável conversa. Walter me mostrou todas instalações e comentou sobre um de seus assistentes, Júlio.

Mais ou menos 30 minutos se passaram e vejo no horizonte, um rapaz trazendo um cavalo marrom escuro, da cor de ébano, um lindo exemplar. Aquele rapaz era o Júlio, e estava trazendo uma égua de 2 anos e meio e que acabara de ser entregue pelo seu dono aos cuidados do CTEE para ser domada e treinada.

Walter não pensou duas vezes e já me convidou para assistir ao famoso processo de DOMA RACIONAL ou DOMA INTELIGENTE, que se baseia nos princípios e conhecimentos de Monty Roberts, um famoso americano conhecido como encantador de cavalos. Walter foi seu aluno na escola Flag is Up Farms na Califórnia.

Apenas quinze minutos foram necessários para Walter conseguir transformar uma égua “chucra” em um animal obediente aos seus comandos. Com simples exercícios, porém de extremo conhecimento sobre o animal e de maneira silenciosa a égua passou a segui-lo e enxerga-lo como o líder de sua tropa.

Concluída a sessão, começamos a conversar e Walter relacionou seu trabalho como a de um líder empresarial. Muitos “chefes” agem de maneira inapropriada, ao usar do poder, para fazer seus funcionários trabalharem. Muitas vezes o líder não sabe dizer aos funcionários o que espera deles, não comunica de forma eficaz o devido fazer e nem o porquê dele. Não basta impor sua vontade perante aos trabalhadores, e sim incentivá-los, mostrar que você está ali para prover direções ao seu subordinado e cabe a ele escolher por conta própria o que fazer.

Explicou que o cavalo tem que tomar decisões de maneira muito mais rápida que o ser humano, já que é uma presa e pode ser atacada por predadores em seu meio natural. “O cavalo tem que decidir rapidamente se aquilo a frente é uma ameaça ou não” diz Walter.

Se você é gestor, empreendedor, supervisor ou exerce qualquer cargo de liderança, você deveria repensar seus conceitos e entender o método de liderança racional. Se você usa do seu poder conferido pelo seu cargo para coagir pessoas a fazerem o que você deseja, você não é um bom líder. Talvez você veja resultados ao verem seus subordinados trabalhando para você e obtendo os resultados que você quer, mas entenda que provavelmente eles não estão fazendo nada a mais do que lhes foi ordenado. Quando um chefe deixa de ser chefe e se torna um líder, as pessoas param de simplesmente fazer o que foi ordenado e passam a trabalhar e obter seus resultados por vontade própria e não por uma “chibata em seu lombo”.

 

Douglas Carvalho é Empresário e Palestrante. Ele acredita que as melhores decisões são feitas através da criação e análise de indicadores de performance.